SEU JOELHO ESTALA? ENTENDA AS PRINCIPAIS CAUSAS !

O JOELHO QUE ESTALA ou também chamado no meio médico, de JOELHO QUE CREPITA é uma queixa extremamente frequente. É um sintoma encontrado em quase 40% das mulheres maiores de 40 anos de idade. É um barulho que pode ser escutado de longe por outras pessoas, ou somente sentido quando se apoia a mão sobre a região frontal do joelho conforme ele é esticado e flexionado. 

Além disso, esse sintoma gera um impacto psicológico importante pela idéia de estar associado com desgaste da cartilagem do joelho (assim como com a artrose do joelho). Similarmente, a ARTROSE pode gerar estalos frequentes nos joelhos, mas o contrário não é necessariamente verdadeiro. Ou seja, quem tem estalos nos joelhos, na maioria das vezes não tem artrose, e aliás, muitas vezes não tem doença nenhuma no joelho.

E quais as principais causas de estalos?

Na maioria das vezes, a queixa de ESTALO no joelho é considerada fisiológica, ou seja, não é devido um problema no joelho. Em outras palavras mais fáceis de compreender, o estalo fisiológico é o “estalo tranquilo”.

As principais causas de estalo no joelho fisiológico são:

– presença de bolhas de ar dentro da articulação.

– atrito de ligamentos em superfícies ósseas.

– plica patelar fisiológica

– menisco hipermóvel ou menisco discóideo.

E quando os estalos podem ser por um problema nos joelhos?

Entretanto, os estalos nos joelhos podem precisar ser investigados se eles aumentar de uma hora para outra ou quando vierem junto com:

– Dor persistente

– Inchaço ou derrame articular no joelho (“água no joelho)

– História de trauma

Nesse caso, procure uma avaliação com ortopedista para avaliar a causa do estalo. Isso porque, as doenças que frequentemente estão relacionadas a estalos por problemas no joelho são:

– Instabilidade patelar (patela que tende a sair do lugar. Clique aqui para saber sobre luxação da patela)

Lesão dos meniscos

Lesão da cartilagem do joelho 

– Plica sinovial patológica (espessada por inflamação)

Artrose do joelho.

Voltando aos estalos fisiológicos...

Agora aqui vai a principal mensagem desse post. O estalo no joelho não influencia a força muscular e aptidão física. LEMBREM-SE DESSE dado: até 40% das pessoas tem ESTALO SEM TER DOR no joelho.

Mas o que é alarmante nisso é que estudos mostram que pessoas com estalos no joelho  muitas vezes ficam meio “abaladas” pela presença deles. Isso porque optam por inatividade física (ficar muito parado), mudança de padrão de movimento (evitam “forçar o joelho) e até mesmo baixa adesão à fisioterapia

Fazem isso com a idéia de evitar perceberem esse barulho no joelho e ISSO SIM É MUITO RUIM. Ruim pois a inatividade física é o que está de fato relacionado ao desenvolvimento ou progressão da artrose no joelho. Ou seja, a pessoa com estalo no joelho tende a ficar mais parada e com menos esforço para não ouví-lo e acaba “perdendo” mais músculo. Com isso cria um ciclo vicioso, pois “perder” músculo aumenta a chance de artrose dos joelhos.

Conclusão

Podemos concluir algumas coisas muito importantes com esse post:

  • Primeiramente, os estalos são muito frequentes, não é necessário preocupação excessiva se percebê-los nos seus joelhos.
  • Segundo, procure uma avaliação médica quando perceber que os estalos estão muito intensos. Ou quando tiver alguma outra coisa acontecendo com seu joelho (dor, inchaço, piora do movimento).
  • E por fim, lembrem-se dos efeitos negativos que os estalos podem ter na saúde do seu joelho. As vezes, esses efeitos estão mais ligados à questões de ordem psicológica do que propriamente um problema da articulação do joelho. Quando digo psicológico, quero dizer em relação a um certo sentimento de “aflição” que eles podem causar. E essa aflição pode ser muito ruim se encarada com a idéia de que “temos que evitar o movimento, para não estalar o joelho”.

Por fim, espero que tenham compreendido bem a mensagem! Saúde é estar em movimento! Não deixe os estalos te atrapalharem nisso!

Referências

Vou deixar aqui a referência de alguns estudos muito interessantes no assunto:

1-Danilo de Oliveira Silva, Christian Barton, Kay Crossley, Marina Waiteman, Bianca Taborda, Amanda Schenatto Ferreira, Fábio Mícolis de Azevedo, Implications Of Knee Crepitus To The Overall Clinical Presentation Of Women With And Without Patellofemoral Pain, Physical Therapy in Sport (2018).

2-Song SJ, Park CH, Liang H, Kim SJ. Noise around the Knee. Clin Orthop Surg. 2018 Mar;10(1):1-8. Epub 2018 Feb 27. 

3-Robertson CJ, Hurley M, Jones F. People’s beliefs about the meaning of crepitus in patellofemoral pain and the impact of these beliefs on their behaviour: A qualitative study. Musculoskelet Sci Pract. 2017 Apr;28:59-64

Fico à disposição para dúvidas e comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa informação!